19
Jun 09

“Somewhere, over the rainbow, skies are blue.
And the dreams that you dare to dream
Really do come true.”

 

É com pena que escrevo o que penso serem das últimas linhas que o nosso “cantinho da internet” irá acolher.

Estas, dedico-as não só ao tema que aqui tem sido batalhado mas às pessoas que o vivem. E quem são afinal essas pessoas?

Devo começar pelas fantásticas “Mitas e Logas” como lhes acabaram por apelidar. “Fantásticas??” - pensam aqueles que não nos conhecem… ou que apenas pensam conhecer… sim! Fantásticas! A elas desejo que toda essa fantasia permaneça para sempre, que o sonho comande as suas vidas e que, não a ciência, mas o mito as mova para todo o sempre. Apesar do pouco tempo juntas, penso termos aprendido imenso e a única coisa que me falta dizer-vos é que o coco (a tal famosa fruta), a par da canela, do arroz, do mel e ao contrário de rezar o terço… tem poderes…enfim, vocês sabem! Um dia, quando forem mais velhas, revelo-vos o nome do livro… Para além desta última informação preciosa, nada mais importa referir porque tudo o que diz respeito a sentimentos é mais fácil entender sem palavras.

Não queria aqui fazer uma lista infindável de agradecimentos porque se tornaria um pouco maçudo e de textos grandes já bastam os que foram publicados no passado… de uma forma bastante curta e sincera tomo aqui a liberdade de agradecer em nome do grupo a todos aqueles que nos acompanharam nesta viagem entre mentalidades e realidades. Desde as tágides inspiradoras que fizeram nascer o tema (ou lhe devo chamar guerreiro épico?) aos loucos que por livre vontade ou sem ela se juntaram a nós ao longo do nosso projecto. Obrigada. Obrigada também àqueles que, com atenção e interesse nos leram, ouviram, seguiram e apoiaram, aqui no blog ou em pessoa.

A todos eles e também àqueles que não fazem ideia de que o projecto “Do Mito ao Logos” alguma vez existiu mas que possuem na mente e no coração a chama… obrigada, pois foi por a transportarem, por sonharem, por acreditarem que este trabalho surgiu…

 

Certa tarde pintei, com uma câmara, cientistas, bonecas, bruxas e princesas

Juntas riam e cantavam, comiam gelados e rissóis e sonhavam…

Apenas elas e o rio o sentiram, mas foram felizes!

 

Desculpem tê-lo escrito, Ana Isabel 

 

 

postado por LACCAP às 18:52

Estivemos a realizar uma viagem desde a mentalidade mítica de deuses e heróis até à era da ciência e da técnica, que aliás é o tema do nosso projecto. No entanto não queremos deixar passar a ideia de que estas são realidades distintas e que uma é presente e outra pertence já ao passado.

Se o homem não sonhasse, não se questionasse, não reflectisse sobre o próprio mito, provavelmente a ciência, como nós a conhecemos, não existia.

A ciência é uma criação do homem e por isso uma criação do sonho e não tomou, de maneira nenhuma, o lugar dos mitos e das lendas. Estas vivem ainda em cada um de nós.

O Natal, a Páscoa e todos os nossos feriados, os filmes que tanto apreciamos, os livros que lemos, as músicas que ouvimos, estão repletos de mitologia, de símbolos, de significado. Todos os nossos valores são-nos ensinados através de lendas e histórias fantásticas. São Martinho deu metade da sua capa ao mendigo mostrando-se generoso, a Bela aprendeu a amar o monstro pelo seu interior e não pela sua aparência, Narciso ensinou-nos a conter a vaidade desmedida, com a cigarra e a formiga aprendemos que é preciso trabalhar e para garantir o futuro…Também a História é feita de sonhos, de vontade de descobrir e conhecer, de desvendar, de explorar, de conquistar. Se não fosse o sonho os navegadores Portugueses nunca se teriam aventurado por “mares nunca antes navegados” “dando novos mundos ao mundo” nem os militares de Abril ousariam conquistar a nossa liberdade. Por mais que nos achemos desprendidos da aura mítica e lendária, todos temos fé em algo. Todos, no mais profundo do nosso ser acreditamos em algo e é a força desse acreditar que nos faz prosseguir.

 


A ficção tornou-se realidade e ao Homem parece nada ser impossível. Os únicos limites apontados à ciência são os que ela própria encerra, decorrentes de conhecimentos ainda não plenamente desenvolvidos e capacidades ainda não totalmente dominadas. Mas estes limites são sempre provisórios e ultrapassáveis.

O Homem continua assim com e pela ciência, gozando das inovações que quase diariamente ela lhe proporciona, acreditando no seu potencial benéfico, investindo no seu fomento, aceitando-a como o indiscutível e dogmático factor do seu próprio desenvolvimento.

A vontade de ir sempre além e conquistar sempre mais tem vindo, desde tempos imemoriais, a contamina-lo e por isso o uso de algumas descobertas científicas, vieram demonstrar que a ciência nem sempre se faz a favor, mas algumas vezes contra o Homem.

 

Conta uma lenda que um homem, gananciosamente, matou o seu ganso que punha ovos de ouro, pensando que podia extrair todos os ovos do seu interior. Tais actos disparatados têm sido cometidos actualmente. Ao explorar desmesuradamente a Natureza retirando dela as matérias-primas e o seu sustento, o Homem cria desequilíbrios desastrosos colocando em perigo não só o que o rodeia mas a si mesmo. Não podemos culpar a ciência e a técnica por isso! Os culpados são aqueles que aplicam as descobertas científicas sem discernimento.

Quando o homem interfere indevidamente na Natureza, ela reage desfavoravelmente e os problemas surgem. Isto não acontece apenas por retirarmos dela aquilo (ou mais do que aquilo) que precisamos para viver, o simples facto de caminharmos sobre o planeta está a provocar, ainda que lentamente, a sua morte. Vejamos o exemplo: o automóvel foi uma invenção magnífica! Permite, hoje em dia, que a deslocação entre dois pontos distantes se torne rápida e confortável! Como o automóvel também é o comboio, o metro, o avião e o navio. No entanto todas estas geringonças contribuem para o aumento da concentração de dióxido de carbono na atmosfera, o que sabemos ser extremamente nocivo ao ambiente. Temos a capacidade de criar e portanto temos de assumir responsabilidades por tudo aquilo que nos rodeia de modo a não causar a sua destruição! É importante deixar a ambição, a cobiça e a avidez de lado e reflectir um pouco sobre que limites colocar aos nossos actos.

 

Sempre em busca de grandes feitos e notoriedade, nós, seres egoístas, acabamos por transformar a ciência (que deveria ser utilizada para o bem maior, para o aperfeiçoamento da condição humana e para o aumento da nossa qualidade de vida) numa arma de aniquilação. Além de desafiarmos o planeta, além de ousarmos interferir na biodiversidade chegamos ao ponto de utilizar a ciência para matar.

Einstein acreditava que pela fissão ou fusão de núcleos atómicos se poderia libertar uma energia gigantesca mas nunca imaginou que viesse a acontecer uma Segunda Guerra Mundial onde essa energia fosse utilizada para fins de destruição maciça. Passou a encarar o seu trabalho com energia nuclear como um dos maiores erros da sua vida embora saibamos ser genial, a sua utilização sim foi imperdoável. A energia nuclear é utilizada hoje como meio de evitar o gasto de combustíveis fósseis reduzindo o impacte ambiental sendo portanto benéfica, mas nunca se esquecerão as mais de 200 mil pessoas mortas pela bomba atómica…

Posto isto, uma questão se levanta. Terá o Homem a capacidade de arcar com tamanha responsabilidade? Será seguro tamanho poder nas nossas mãos? Será o Homem capaz de distinguir o “bem” do “mal” utilizando a sua inteligência sem colocar o outro em risco? Diríamos que não… porque apesar da evolução ser facilmente observável, apesar de tudo se encontrar numa constante mudança, o espírito humano permanece o mesmo…

 

Considerando-se o ser supremo, o Homem tem vindo a ameaçar todo o equilíbrio que o rodeia, todas as leis biológicas, e prepara-se agora para se colocar no lugar de Deus e criar o sobre-humano remexendo aquilo que caracteriza cada um de nós – o património genético!

Um dos problemas mais controversos da actualidade é a manipulação genética. Partindo da manipulação de características até à clonagem de plantas, animais e quem sabe humanos estamos a assumir um controlo impensável sobre toda e qualquer célula! Será aceitável a criação artificial de seres vivos?

 

Os avanços científicos no campo da saúde têm, como já vimos, vindo a melhorar consideravelmente a longevidade do ser humano. Quem sabe não encontraremos dentro de pouco tempo a cura para o cancro ou a SIDA? No entanto, quem nos garante que os avanços neste campo ainda um pouco desconhecido da genética não nos levarão ao fim? Não sabemos se o consumo de alimentos transgénicos nos causarão a longo prazo mutações na nossa própria constituição, não sabemos se ao manipular características de plantações estaremos a intervir na biodiversidade e nos sistemas de forma irreversível podendo levar à morte de espécies animais e vegetais, não sabemos! Já existem alimentos transgénicos no mercado e a maioria da população não sabe sequer o que eles são! Mais controverso que este, é o tema da clonagem. A possibilidade de um dia ser possível clonar seres humanos assusta-nos… E mais do que a cópia de uma identidade ou a substituição de um ser até então único surge-nos na mente a hipótese da criação industrial de seres humanos com o objectivo de desempenhar funções bélicas ou até mesmo da criação de um super-humano, um ser com características físicas e intelectuais minuciosamente escolhidas pelo seu criador.

 

Um outro grave problema é a realização de testes laboratoriais em animais a fim de criar ou melhorar técnicas e produtos. O uso de animais como cobaias ocorre desde muito cedo. Estima-se que a utilização de animais em actividades científicas e didácticas exista desde o século V a.C., tendo iniciado provavelmente com os estudos de Hipócrates. Nos séculos XVII e XVIII os cientistas passaram a usá-los com maior frequência na busca de solucionar problemas de saúde humana. Certo é que cada vida é uma vida independentemente da complexidade do ser que a suporta e por isso uma grande questão ética surge: será viável a utilização de animais em testes laboratoriais com o fim de melhorar o conhecimento e a condição humanos?

Como foi publicado pela Unesco em 1978: “Cada animal tem direito ao respeito; e o Homem, enquanto espécie animal, não pode atribuir a si próprio o direito de exterminar os outros animais, ou explorá-los, violando esse direito. Ele tem o dever de colocar a sua consciência a serviço dos outros” (Artigo 2º); Não menos importante é o artigo 8º: “A experimentação animal, que implica sofrimento físico, é incompatível com os direitos do animal, quer seja uma experiência médica, científica, comercial ou qualquer outra.”

 

É por isso importante dizer que é necessário impor limites à ciência! É urgente impor limites ao Homem! É fundamental preservar a nossa identidade face ao perigo eminente da nossa artificialização.

Na antiguidade a curiosidade humana era castigada e quem sabe não seremos castigados também pela nossa ousadia extrema? Prometeu, roubou o segredo do fogo aos deuses para dar aos homens e acabou amarrado a uma rocha com uma águia que todos os dias lhe comia parte do fígado, Ícaro não se contentou em voar baixo e as suas asas acabaram por derreter, Pandora abriu a caixa e espalhou os males pela terra, na Bíblia por se alimentarem da árvore do conhecimento Adão e Eva foram expulsos do paraíso. Quando avançamos em território desconhecido é portanto importante caminhar cuidadosamente avaliando com responsabilidade e bom senso as consequências.

 

 

postado por LACCAP às 17:28

A Ciência torna-se realmente o tudo! No Renascimento a arte e ciência deixaram de concentrar-se no estudo de Deus para se concentrarem no conhecimento do Homem. Para conhecer a forma perfeita do seu corpo, muitos artistas dissecavam cadáveres e efectuavam minuciosos estudos anatómicos a fim de reproduzir com fidelidade os membros, músculos, expressões faciais…

A dissecação, apesar de na época ser proibida pela Igreja, era necessária porque a ciência se baseava na experimentação. Muitos ousaram analisar o corpo humano, criando mapas das veias, artérias, sistema nervoso e circulatório, mas a sua curiosidade tinha um preço, acabando por ser condenados à fogueira.

No entanto, a olho nu não éramos capazes de desvendar todos os mistérios, assim ao combinar o efeito de lupas, lentes e cristais, o Homem criou o microscópio, o instrumento que nos levou ao interior das células.

Hoje em dia a Medicina está de tal forma avançada que permite realizar coisas impensáveis. Teria alguma vez o Homem imaginado substituir um dos seus órgãos ou algum dos seus membros? A perspectiva de salvar vidas através da colocação de partículas biónicas no ser humano, como um coração ou a reconhecida mão são factos que engrandecem a nossa espécie e nos mostram a nossa incomensurável capacidade criativa.

A grande luta na área da saúde sempre foi o factor doença. Actualmente, com a administração de antibióticos e vacinas, muitas delas, que outrora espalhavam a morte e o medo, tornaram-se inofensivas. Actualmente trabalha-se, por exemplo, para se conseguir produzir vacinas comestíveis incorporadas em órgãos vegetais manipulados geneticamente, o que poderá tornar as vacinas mais baratas e seguras.

Já que foi referida a capacidade incrível que o ser humano conquistou de interferir em partículas aparentemente invisíveis, alterando a informação genética, é importante focar a curiosidade humana inerente a todas as descobertas.

Para descobrir como certas características se mantinham de geração em geração um monge (Gregor Mendel) realizou experiências com ervilheiras. Mais tarde, outros estudiosos acabaram por desenrolar uma molécula – o DNA. Actualmente este e outros termos já fazem parte do nosso quotidiano como genes, manipulação genética, alimentos transgénicos, eugenia, clonagem, anomalias hereditárias… A Genética abre-nos as portas ao conhecimento. Que mais existirá nos recônditos do próprio ser? O que nos ensinará uma célula, uma molécula, um átomo num futuro próximo?

 

 

 

O conhecimento humano não se deixa ficar pelo seu corpo.

Desde que iniciou o seu povoamento na Terra, o Homem deixou-se guiar pelos astros, pelo Sol e pela Lua. Dispensava momentos intermináveis a observar o brilho das estrelas e as mudanças lunares, a divagar na procura de explicação para a movimentação do Sol…Foi elaborando teorias, deixando-se levar pelo ambiente de mistério e pela incomensurável curiosidade que o Céu lhe despertava.

Graças ao desenvolver da ciência e da técnica, construímos instrumentos complexos para descobrirmos marcas da origem do Universo e daquilo que nele existe. Descobriram-se estrelas, cometas, asteróides, muitos outros planetas, o Sistema Solar, galáxias… O Homem embrenhava-se no infinito, no Universo!

À medida que o conhecimento daquilo que nos transcende ia aumentando, uma vontade crescia no Homem: pisar o seu satélite natural – a Lua, descobrir novas formas de vida fora da Terra e procurar o início, a origem.

O “pequeno passo para o Homem mas grande para a Humanidade” chegou em Julho de 1969 pela nave Apolo 11. De dia para dia o ser humano ia quebrando os seus próprios limites, ia crescendo em si a ideia de imponência e superioridade.

A conquista do espaço, apesar de dispendioso e incerta, continua a inundar inúmeros corações humanos que sonham conhecer outros seres e colonizar outros lugares, vaguear pelo indeterminável e alcançar as estrelas!

Pelo menos a história ensinou-nos que não somos tão únicos e irrepetíveis como pensamos, apenas vulgares. Já acreditamos que éramos o centro do Cosmos, agora temos noção que nada somos mais que um ponto minúsculo algures numa Galáxia! Apenas corpos atraídos ao seu planeta e que o acompanham nos seus movimentos… tudo devido à existência de forças gravíticas, devido ao aparecimento de um Homem que se questionou sobre um acontecimento banal: Isaac Newton. Sentado sob uma árvore, algo lhe cai sobre a cabeça, uma maçã…por que motivo os corpos caíam para o solo e não noutra direcção? Este mostrou-nos o poder da pesquisa e do esforço, a curiosidade do Homem na procura de ciência e para compreender o que o rodeia, edificando o saber e incentivando o outro a procurar, a querer e a tentar.

 

São incontáveis as aplicações que derivam da descoberta científica que acabaram por modificar as nossas rotinas e a nossa própria existência.

Já dizia Thomas Edison: “Primeiro averiguo o que as pessoas precisam. Depois, trato de inventá-lo” - isto é o objectivo de toda a pesquisa e inovação científica, colocar o aumento do conhecimento e satisfação pessoal aos pés das necessidades da sociedade.

A lâmpada, o telefone, a imprensa, o comboio, a rádio, o avião, a televisão, a World Wide Web…esta evolução tecnológica provocou mudanças nas formas de trabalho e relacionamento, tornando mais cómoda a vida humana. Catástrofes, guerras, eventos musicais e desportivos podem ser conhecidos simultaneamente por inúmeras pessoas e pelas mais diversas culturas. Se há milhares de anos os grupos tribais se reuniam à vota da fogueira, observando o fogo, o homem contemporâneo reúne-se à frente dos meios de comunicação, da ciência que criou.

 


Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


Somewhere Over the rainbow


pesquisar neste blog
 
Na gaveta!!
subscrever feeds
links